Apuração em eleição é concluída em 20 minutos em cidade de SC

A apuração das eleições neste domingo durou pouco mais de uma hora e meia em Santa Catarina. Cerca de 162 mil eleitores voltaram as urnas para escolher prefeitos das cidades de Campo Erê, Balneário Rincão, Tangará e Criciúma. Em pouco mais de 20 minutos, o resultado na cidade de Balneário Rincão, no sul do Estado, acabou anunciado pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de Santa Catarina. Décio Goés (PT) venceu por uma diferença de 411 votos o candidato do PMDB, Jairo Celoy. 

No município de pouco mais de 9,7 mil eleitores, foram testados sistemas de transmissão de dados diretamente das urnas para a central de apuração dos votos do TRE-SC. Com isso, todos os votos foram totalizados e o resultado anunciado pouco mais de trinta minutos após o fechamento da votação.

As atenções nessa eleição estavam voltadas para a cidade de Criciúma, localizada a 190 quilômetros ao sul de Florianópolis. O município de 139 mil eleitores é estratégico por possuir uma das maiores arrecadações do Estado e vinha sendo disputado por lideranças do PP e PMDB.

O resultado foi anunciado às 18h10 e o atual vice-prefeito, Márcio Burigo (PP), conquistou uma vitória esmagadora: 72,27% dos votos, contra 11,89% de Ronaldo Benedet (PMDB) e 10,26% de Fábio Brezola (PT). Américo Faria (DEM) obteve 2.51%, seguido de Cíntia Santos (PSTU), com 2,14%, e Rodrigo (PCB), que conquistou 0,03%. 19% dos eleitores não compareceram para votar, 2,57% anularam o voto e 2,71% votaram em branco.

Apesar de toda a confusão e polêmica que cercou a nova eleição em Criciúma, o domingo foi de muita tranquilidade e nenhuma ocorrência de maior gravidade. A movimentação fosse mais intensa pela manhã. 

Entenda o caso

Em outubro, Clésio Salvaro (PSDB) acabou reeleito com vitória esmagadora: 76% dos votos dos eleitores de Criciúma. Entretanto, a candidatura do tucano foi impugnada com base em um processo pelo qual havia sido condenado em 2008, por abuso do poder econômico e propaganda irregular em meios de comunicação. A denúncia partiu do PMDB.

Salvaro foi punido com três anos de inegibilidade, mas com a chegada da Lei da Ficha Limpa, sua pena chegou aos oito anos. O caso gerou muita polêmica e foi parar no STF. O eleito perdeu em todas as instâncias. 

Com a disputa aberta novamente, Salvaro teve sucesso e transferiu os votos para seu vice Márcio Búrigo (PP). Foi a segunda derrota consecutiva do vice-governador e presidente do PMDB catarinense, Eduardo Pinho Moreira, em seu próprio reduto eleitoral.