Advogado diz que foto de menor comprovará que ele atirou sinalizador

O advogado Ricardo Cabral, que responde pela Gaviões da Fiel, afirmou que a polícia boliviana terá certeza de que o adolescente A. H. N. foi o responsável por atirar o sinalizador que matou o jovem torcedor de 14 anos Kevin Douglas, do San José (Bolívia), quando comparar a imagem de uma TV local com a foto do garoto. Em entrevista ao Bandsports, Cabral afirmou que o menor se entregará à Vara da Infância e Juventude de Guarulhos por volta das 15h desta segunda-feira.

O representante da Gaviões da Fiel negou qualquer chance de o jovem estar acobertando outra pessoa ao admitir o crime. "Isso (acobertamento) é um questionamento que é obvio toda imprensa estar fazendo. Mas eu não ia expor o menor em um canal de comunicação da mídia se ele não fosse culpado. Quando eu mandar o documento do menor com a ficha cadastral e confrontarem a foto dele com a imagem do segundo vídeo da TV boliviana não restará a menor dúvida que ele foi o autor do disparo do sinalizador". 

Cabral afirmou ainda que não existe nenhuma chance do adolescente ser levado à Bolívia para prestar depoimento ou cumprir pena em Oruro, onde 12 torcedores alvinegros estão detidos desde a última quarta-feira suspeitos de cometer o crime. "Não existe nenhuma hipótese de isso acontecer. Primeiro, porque o governo federal não extradita brasileiros, seja ele maior ou menor de idade. Ele também está amparado pela convenção da ONU de proteção à criança e ao adolescente".

Segundo o advogado, a pena será cumprida no País. "Se o processo correr por Guarulhos, quem vai decidir vai ser o próprio juiz, aplicando uma medida sócio-educativa, para que pague por este ato impensado que ele cometeu". Cabral disse que o adolescente está em estado de choque com o ocorrido.

"Ele é de família humilde, não conseguiu assimilar toda a repercussão do caso. Ele nunca teve qualquer tipo de antecedente...Ele próprio admite que vai carregar essa culpa pelo resto da vida. O irmão de 4 anos dele tem o mesmo nome do menino que morreu. Toda vez que chama o irmão, ele já pensa no jovem que perdeu a vida".