Petição pública pede memorial no local da tragédia em Santa Maria

Designer Lucas Franco Colusso, 26 anos, encabeçou uma campanha para transformar o local onde ocorreu o incêndio que vitimou 231 pessoas em Santa Maria (RS) em um memorial para homenagear as vítimas. Natural de Santa Maria, ele se formou em Desenho Industrial na Universidade Federal da cidade e hoje faz pós-graduação em Santa Catarina, onde mora. 

Por meio de sua página pessoal no Facebook, Lucas sugeriu a criação de uma petição pública e até desenvolveu um esboço de como ficaria o local com a demolição da Boate Kiss. Após ganhar apoio nas redes sociais, o jovem criou de fato um abaixo-assinado virtual para que a ideia pudesse avançar. 

Destinado ao prefeito de Santa Maria, o abaixo-assinado pede "um memorial com o nome de todos aqueles que foram embora deixando seus sonhos sem realizar, que deixaram seus familiares, parentes e amigos em desespero. Homenageando também aqueles que sobreviveram, e os heróis que ajudaram a salvar vidas". Qualquer pessoa pode assinar o pedido por meio da internet. 

Incêndio na Boate Kiss

Um incêndio de grandes proporções deixou mais de 230 mortos na madrugada deste domingo em Santa Maria (RS). O incidente, que começou por volta das 2h30, ocorreu na Boate Kiss, na rua dos Andradas, no centro da cidade. O Corpo de Bombeiros acredita que o fogo iniciou com um sinalizador lançado por um integrante da banda que fazia show na festa universitária.

Segundo um segurança que trabalhava no local, muitas pessoas foram pisoteadas. "Na hora que o fogo começou foi um desespero para tentar sair pela única porta de entrada e saída da boate e muita gente foi pisoteada. Todos quiseram sair ao mesmo tempo e muita gente morreu tentando sair", contou. O local foi interditado e os corpos foram levados ao Centro Desportivo Municipal, onde centenas de pessoas se reuniam em busca de informações.

A prefeitura da cidade decretou luto oficial de 30 dias e anunciou a contratação imediata de psicólogos e psiquiatras para acompanhar as famílias das vítimas. A presidente Dilma Rousseff interrompeu viagem oficial que fazia ao Chile e foi até a cidade, onde se reuniu com o governador Tarso Genro e parentes dos mortos.