Três vítimas de incêndio trabalhavam no Fórum de Santa Maria

O Judiciário está de luto em Santa Maria. Três vítimas do incêndio que matou 231 pessoas na cidade trabalhavam no Fórum local: a oficial escrevente Rosane Fernandes Reherman, o estagiário Augusto Sérgio Kraspenhauer da Silva e a telefonista Natana Pereira Canto. 

"É uma lástima que enlutou todo o Estado e o Brasil. Houve perda de vidas de servidores. Não há palavras com aptidão suficiente para dar conforto. O momento é de dor, lamentou o presidente do Tribunal de Justiça, Marcelo Bandeira, que esteve no município ontem. 

Bastante emocionado, o juiz Rafael Pagnon Cunha afirmou que a direção do Foro está consternada e incrédula com o fato que classifica como "terrível". "Abraçamos carinhosamente os familiares de todas as vítimas, especialmente os de nossos colegas de trabalho, que se somam a outras pessoas vitimadas", lamentou.

Devido as mortes foi decretado o fechamento do Foro por três dias, bem como a suspensão de prazos pelo mesmo período. As medidas foram comunicadas pelo desembargador Bandeira ao presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Marcelo Bertoluci.

 

Incêndio na Boate Kiss

Um incêndio de grandes proporções deixou mais de 230 mortos na madrugada deste domingo em Santa Maria (RS). O incidente, que começou por volta das 2h30, ocorreu na Boate Kiss, na rua dos Andradas, no centro da cidade. O Corpo de Bombeiros acredita que o fogo iniciou com um sinalizador lançado por um integrante da banda que fazia show na festa universitária. Segundo um segurança que trabalhava no local, muitas pessoas foram pisoteadas. 

"Na hora que o fogo começou foi um desespero para tentar sair pela única porta de entrada e saída da boate e muita gente foi pisoteada. Todos quiseram sair ao mesmo tempo e muita gente morreu tentando sair", contou. O local foi interditado e os corpos foram levados ao Centro Desportivo Municipal, onde centenas de pessoas se reuniam em busca de informações. 

A prefeitura da cidade decretou luto oficial de 30 dias e anunciou a contratação imediata de psicólogos e psiquiatras para acompanhar as famílias das vítimas. A presidente Dilma Rousseff interrompeu viagem oficial que fazia ao Chile e foi até a cidade, onde se reuniu com o governador Tarso Genro e parentes dos mortos.