Mais três corpos são encaminhados para ginásio de Santa Maria

Mais três corpos de vítimas da tragédia de Santa Maria (RS), que morreram durante a noite, foram, levados para o Centro Desportivo Municipal. O delegado Antônio Neto, titular do DPPA (Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento) da cidade, confirmou a informação. De acordo com Neto, as novas três vítimas fatais podem ser somadas às 231 listadas pela Secretaria de Segurança Pública do Rio Grande do Sul.

Outros cinco corpos que estão no ginásio ainda não foram retirados – um deles de uma vítima do Estado do Mato Grosso. Todos os outros estão sendo velados no próprio município ou em cidades da região.

A Secretaria de Segurança Pública do Rio Grande do Sul retificou na noite deste domingo nova relação preliminar das vítimas do incêndio na Boate Kiss em Santa Maria (RS). O Instituto-Geral de Perícias (IGP) realizou a identificação de 231 vítimas da tragédia que aconteceu na madrugada de domingo no centro do município. Inicialmente, o número chegou a 233 mortos identificados, mas, segundo o governo do Estado, alguns nomes que constavam na lista estavam repetidos.

Incêndio na Boate Kiss

Um incêndio de grandes proporções deixou mais de 230 mortos na madrugada deste domingo em Santa Maria (RS). O incidente, que começou por volta das 2h30, ocorreu na Boate Kiss, na rua dos Andradas, no centro da cidade. O Corpo de Bombeiros acredita que o fogo iniciou com um sinalizador lançado por um integrante da banda que fazia show na festa universitária.

Segundo um segurança que trabalhava no local, muitas pessoas foram pisoteadas. "Na hora que o fogo começou foi um desespero para tentar sair pela única porta de entrada e saída da boate e muita gente foi pisoteada. Todos quiseram sair ao mesmo tempo e muita gente morreu tentando sair", contou. O local foi interditado e os corpos foram levados ao Centro Desportivo Municipal, onde centenas de pessoas se reuniam em busca de informações.

A prefeitura da cidade decretou luto oficial de 30 dias e anunciou a contratação imediata de psicólogos e psiquiatras para acompanhar as famílias das vítimas. A presidente Dilma Rousseff interrompeu viagem oficial que fazia ao Chile e foi até a cidade, onde se reuniu com o governador Tarso Genro e parentes dos mortos.