Amaerj: internação de viciados em crack tem de priorizar atenção e tratamento

Presidente do órgão, desembargador Cláudio dell´Orto, analisou medida adota pela prefeitura de SP

O desembargador Cláudio dell´Orto, presidente da Associação dos Magistrados do Estado do Rio de Janeiro (Amaerj), em cuja capital a internação compulsória de adultos viciados em crack já havia sido estabelecida pela prefeitura, pondera que a adoção da medida em São Paulo, como em qualquer cidade, precisa priorizar o tratamento e recuperação. 

“Não se pode imaginar que esses seres humanos sejam internados para que as ruas fiquem mais bonitas e a sociedade tenha a sensação de que o problema foi resolvido. É crucial a preocupação com essas pessoas, seu destino e reinserção familiar e social”.

O desembargador lembra que a recuperação dos viciados em crack é muito lenta, complexa e de sucesso muito difícil. 

“Por isso, ao tirá-los das ruas é necessário ter estruturado todo um programa de saúde, psicologia,assistência social e jurídica, visando ao seu tratamento e à preservação de seus direitos de cidadania”.