MEC anuncia menor reajuste em 3 anos do piso dos professores

O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, anunciou na tarde desta quinta-feira o novo piso nacional dos professores: R$ 1.567,00. O índice de reajuste será de 7,97% em relação ao valor anterior de R$ 1451,00. O percentual de aumento no salário é o menor em três anos. Em 2012 o percentual ficou em 22,2% e em 2011 em 16%. Apenas em 2010, o aumento foi inferior - com 7,86%. A lei do piso foi sancionada em 2008, pelo então presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, e prevê reajustes anuais com base no valor por aluno no Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb).

"Desta vez não tem tanto impacto, mas é um reajuste acima da inflação. (...) Mesmo com todo este reajuste, nós estamos falando de R$ 1.567, que é pouco mais de dois salários mínimos", diz o ministro, ao comentar que no ano passado o aumento relativo do mínimo foi bem maior e que, apesar dos reajustes, o valor ainda é muito baixo para melhorar a qualidade da educação.

"O salário é que atrai profissionais competentes, bons profissionais para educar nossos filhos e nossos netos. Se queremos uma educação de qualidade, tem de ter uma recuperação progressiva e sustentável do piso salarial", disse Mercadante. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que mede a inflação oficial, encerrou 2012 com alta acumulada de 5,84%.

Sem dar dados precisos, o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, afirmou que a ampla maioria dos Estados cumpre a lei do piso único. Ele preferiu não comentar casos de Estados como o Rio Grande do Sul, que descumprem a regra. "A lei é esta", limitou-se a dizer. Segundo o ministro, o patamar salarial dos professores do País partiu de um nível muito baixo e, após quatro anos de reajuste progressivo, a remuneração mínima equivale ainda a pouco mais de dois salários mínimos.