Prefeito de Campo Grande anuncia mudança em contrato do lixo

Em uma cerimônia de três horas de duração, o novo prefeito de Campo Grande (MS), Alcides Bernal (PP), tomou posse anunciando a revogação de um decreto que vincula as receitas do município como garantia ao pagamento da empresa que hoje presta os serviços de coleta de lixo e limpeza na capital.

O contrato com a CG Solurb é de outubro deste ano, feito ao "apagar das luzes" da antiga gestão. Agora, após uma licitação cheia de questionamentos, inclusive judiciais, o prefeito afirma que essa vinculação coloca a necessidade da iniciativa privada sobre as necessidades coletivas. "Nenhuma empresa ou contrato deve prevalecer sobre a necessidade da população", afirmou. Para a revogação do decreto, Bernal vai acionar sua equipe jurídica.

O segundo ponto principal da administração progressista em Campo Grande, conforme pontuou o novo prefeito, é criar uma comissão que vai analisar as tarifas, taxas e impostos cobrados na cidade. A ideia é checar se condizem ou não com a necessidade, "na busca por uma justiça tributária", afirmou.

Por fim, o foco do início da administração municipal do pepista é um mutirão da saúde, visando prioritariamente o combate à dengue, já que o número de casos notificados tem crescido rapidamente na cidade. "Temos notícia de que uma pessoa morreu por falta de cuidados adequados para a dengue. Isso é inconcebível", afirmou.

Após apresentar o tripé de sua administração, o prefeito ressaltou que há muitos desafios pela frente, destacando entre eles a dengue, cujo combate já possui uma ação definida, e as questões orçamentárias, com a queda de receita do ICMS e ainda com o aumento nas despesas por conta dos reajustes salariais.

A atual administração progressista começa marcada por hostilidade com o chefe do Executivo estadual, André Puccinelli (PMDB), e com a própria Câmara de Vereadores. Isso porque Puccinelli saiu derrotado dessas eleições municipais, já que seu candidato à prefeitura, o deputado federal Edson Giroto (PMDB), perdeu para Bernal. Quanto à Câmara, grande parte dos eleitos são da oposição. Durante a cerimônia de posse, no entanto, o clima amigável foi mantido por todos os lados.

Ex-prefeito

O agora ex-prefeito da capital de Mato Grosso do Sul Nelson Trad Filho (PMDB), em seu discurso de despedida, afirmou que deixa um "presente" a Bernal, ao anunciar os R$ 23 milhões em caixa disponíveis para a nova administração.

Campo Grande foi entregue a Bernal com R$ 23,9 milhões em caixa, que poderão ser utilizados em qualquer área pela nova administração. O total de recursos disponíveis, incluindo os vinculados, é de R$ 243 milhões. Os restos a pagar somam R$ 25,2 milhões. Durante o evento, os 29 vereadores eleitos também foram empossados.