Boa Vista é a última capital a empossar nova prefeita

Boa Vista foi a última capital do país a empossar seu prefeito eleito. O impasse na escolha da Mesa Diretora da Câmara Municipal da capital de Roraima motivou o atraso. A cerimônia começou com um atraso de mais de uma hora e meia e terminou por volta das 2h desta quarta-feira (horário de Brasília).

A prefeita Teresa Surita (PMDB), única mulher eleita para governar uma capital no país, foi empossada pelo vereador Edilberto Veras, o mais idoso dos vereadores eleitos. Em seu discurso de posse, a nova prefeita disse que pegou uma prefeitura falida, mas que vai trabalhar incansavelmente para melhorar a cidade.

"Recebi uma cidade devastada, com dívidas de mais de R$ 100 milhões, mas tenho certeza que com parceiras vamos conseguir retomar o crescimento e tornar Boa Vista uma cidade melhor para se viver", afirmou.

Teresa tem o apoio do governador José de Anchieta (PSDB), que indicou o ex-cunhado Marcelo Moreira como vice na chapa, e do senador Romero Jucá (PMDB), principal articulador político da campanha. Seu vice é o ex-titular da Secretaria de Assuntos Extraordinários do governo de Roraima e tesoureiro do PSDB na última eleição.

Anulação

Marcada por confusões, a eleição da Mesa Diretora da Câmara Municipal de Boa Vista teve duas votações, sendo uma anulada, e foi transferida para esta quarta-feira.

Duas votações aconteceram na noite de terça-feira. A primeira foi cancelada, pois havia um computador próximo à urna. Uma segunda votação aconteceu logo depois, mas por falta de maioria absoluta também foi anulada. A terceira tentativa de eleger a Mesa Diretora não obteve sucesso, pois os ânimos se acirraram.

Teresa Surita

Eleita com 39,21% dos votos, Maria Teresa Saenz Surita Jucá (PMDB), formada em Turismo, tem 55 anos e já foi prefeita de Boa Vista por três vezes. Ela foi coordenadora de Ação Social do governo de Roraima, Assessora Especial do Ministério do Desenvolvimento Agrário e Secretária Nacional de Programas Urbanos do Ministério das Cidades, cargo que ocupou até o início de 2010. Há dois anos, Teresa Surita foi eleita pela segunda vez como deputada federal mais votada, com 29.804 votos (13,39%).

Divorciada do senador Romero Jucá (PMDB), seu principal aliado político na última eleição, a candidata tem duas filhas e é irmã do radialista e apresentador de televisão Emílio Surita, do programa Pânico. Durante a campanha foi alvo de críticas, ataques e denúncias, que iam desde a compra de votos até a acusação de que seu vice era procurado pela Justiça do Estado do Pará.

Trabalhou como Secretária Nacional de Programas Urbanos e em 2010 foi eleita deputada federal por Roraima pela segunda vez, pelo PMDB.