Carnaval: Florianópolis não terá desfiles de escolas de samba

O prefeito eleito de Florianópolis, Cesar Souza Júnior (PSD) afirmou nesta segunda-feira (10) que a prefeitura local passa por graves dificuldades financeiras, o que não vai permitir a realização do desfile das escolas de samba no Carnaval de 2013. Em coletiva realizada na Assembléia Legislativa, César garantiu que haverá eventos pontuais do Carnaval, como o tradicional concurso Pop Gay e a festa da escolha da Corte do Rei Momo. Entretanto, os repasses às escolas de samba locais não estão garantidos.,

O tema vem gerando embates entre a equipe de transição de Júnior e a administração do atual prefeito, Dário berger (PMDB), que teve seu candidado derrotado nas eleições de outubro passado. Cesar afirmou que a situação de caixa da prefeitura é “obscura” no entendimento de sua equipe de transição. Como o Carnaval será realizado cerca de um mês após sua posse, o prefeito eleito não garantiu a realização dos desfiles das escolas de samba da capital catarinense.

Ele criticou o atual prefeito e a forma de transição realizada até aqui. “A situação que vivemos hoje é fruto de um descompasso que se observa na atual administração”, dise, “Não temos como garantir o repasse porque não há tempo hábil para uma única licitação. Na minha gestão não vai haver improviso nem a realização de eventos sem o devido processo licitatório”, disparou.

Na opinião de César Júnior, o dinheiro destinado às escolas de samba poderia ser utilizado em outras necessidades da comunidade de Florianópolis. “Nossa preocupação é garantir os serviços essenciais, com R$ 8 milhões é possível criar mil vagas em creches”, dise, “Me dói tomar essa decisão, mas garanto também que vamos trabalhar muito para fazer um grande carnaval de rua”, afirmou. O prefeito eleito ainda pregou que as escolas de samba da cidade busquem outras formas de financimanento. “Precisamos reinventar o modelo de financiamento das Escolas de Samba de Florianópolis. Oito milhões de reais é um fardo muito pesado para o setor público", justificou.