Diretor da Antaq pede exoneração após operação Porto Seguro

O diretor da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), Tiago Pereira Lima, apresentou ao ministro-chefe da Secretaria de Portos,  Leônidas Cristino, a quem a Agência está vinculada, seu pedido de exoneração do cargo. Antes, porém, determinou a realização de auditoria em todos os processos que estão sendo investigados pela Polícia Federal, segundo nota divulgada pela assessoria da Antaq.

A demissão é motivada pelo suposto envolvimento de Lima nas investigações da Operação Porto Seguro, da Polícia Federal, que apurou casos de fraudes em pareceres técnicos de órgãos federais em benefício de empresas privadas

Este é o terceiro diretor de agências reguladoras afastado do cargo desde que a PF desbaratou o esquema.

A operação Porto Seguro também investiga a ex-chefe de gabinete da Presidência da República em São Paulo Rosemary Noronha, ligada ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, e o ex-advogado-geral-adjunto da União José Weber Holanda.

Na operação Porto Seguro, a PF prendeu seis pessoas, entre elas Rosemary, todas suspeitas de envolvimento na organização criminosa infiltrada no governo para obtenção dos pareceres técnicos fraudulentos. Outro envolvido é José Weber Holanda, o segundo na linha de sucessão na Advocacia-Geral da União (AGU). No sábado, a presidente Dilma Rousseff determinou o afastamento e exoneração de todos os envolvidos, além da abertura de investigação nos órgãos citados na operação.