População carcerária no país já era de 550 mil detentos em junho

Brasília - A população carcerária no país passou de 514 mil detentos em dezembro de 2011 para 550 mil em junho deste ano. Os números foram apresentados, nesta quinta-feira, pelo juiz auxiliar da Presidência do Conselho Nacional de Justiça Luciano Losekann, durante o I Encontro Nacional dos Conselhos da Comunidade. O representante do CNJ propôs que esses conselhos trabalhem não apenas na busca de uma execução penal eficaz, mas também com foco na necessidade de redução da superpopulação carcerária.

"Ainda há muito a fazer, pois o sistema prisional brasileiro não está nada bom. Pelo contrário. Houve um aumento de 35 mil detentos na população carcerária entre dezembro de 2011 e junho deste ano. Neste período, o número de detentos passou de 514 mil para 550 mil, o que é um absurdo. Onde vamos parar desse jeito? Então essa também deve ser uma preocupação dos conselhos da comunidade: o que fazer para que tenhamos não apenas uma execução penal eficaz, mas que nós consigamos encontrar uma forma de diminuir essa população prisional que vem aumentando assustadoramente”, afirmou Losekann.

Para o magistrado, esse quadro reforça a necessidade de reforço das ações de reinserção social, que incluem a oferta, aos detentos, de oportunidades de capacitação profissional e de trabalho. Ele citou o Programa Começar de Novo, do CNJ, que utiliza o acesso do preso ao estudo e ao trabalho como instrumento de prevenção da reincidência criminal. Os conselhos da comunidade estão entre os principais parceiros do programa.