'Órfã', Brasília chora a morte de seu pai, diz governador do DF

Em nota oficial divulgada na noite de quarta-feira, o governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz, lamentou a morte de Oscar Niemeyer, e disse que Brasília fica "órfã" do arquiteto. "Brasília chora por Niemeyer o mesmo choro sentido e saudoso dos órfãos. Pois é assim, filha, que a cidade sempre se sentiu em relação a Oscar", afirmou.

O arquiteto, que morreu às 21h55 de quarta-feira, foi responsável pelas principais obras da construção de Brasília, inaugurada em 1960. A capital federal representou o maior desafio da carreira de Niemeyer e é conhecida, até hoje, como seu grande legado arquitetônico.

Agnelo Queiroz lembrou do estilo do arquiteto, representado nas obras projetadas em Brasília. "Nosso espírito urbano é tão forte e peculiar quanto as curvas que domam o concreto e se vestem do céu azul do cerrado, moldando a nossa paragem à imagem e semelhança do nosso grande e maior gênio arquitetônico. Muito por mérito dele, nós, brasilienses, temos a graça de habitar uma cidade-monumento patrimônio cultural da humanidade".

Segundo o governador do Distrito Federal, Niemeyer deve ser lembrado "todo dia". "Hoje é dia de tristeza, mas é também o dia de bradarmos que devemos a este grande brasileiro o legado de preservá-la absolutamente e de não pararmos de admirá-la sempre e todo dia por sua beleza, seu encanto e sua originalidade", disse.

Para Agnelo Queiroz, Niemeyer era um "mestre". "Todos nós que amamos Brasília precisamos, neste momento, calar respeitosamente para nos despedirmos: Adeus, mestre Oscar".

Morre Oscar Niemeyer

O arquiteto Oscar Niemeyer morreu às 21h55 do dia 05 de dezembro de 2012, aos 104 anos, no Hospital Samaritano, no Rio de Janeiro, de infecção respiratória. Ele estava internado na instituição de saúde desde o dia 6 de novembro, onde alternou quadros de melhoria e de piora na saúde.

Considerado um dos nomes mais influentes da arquitetura moderna mundial, Niemeyer foi responsável pelas principais obras da construção de Brasília, inaugurada em 1960. Carioca, nasceu em 15 de dezembro de 1907 no bairro de Laranjeiras, no Rio.