João Paulo Cunha diz que vai recorrer da condenação no STF

O deputado federal João Paulo Cunha (PT-SP), condenado a 9 anos e 4 meses de prisão no julgamento do mensalão, disse que vai recorrer da decisão do Supremo Tribunal Federal. "Considero injusta e juridicamente equivocada a sentença severa determinada a meu caso, pela maioria do STF (...) vou recorrer da decisão, apresentando os devidos embargos declaratórios e infringentes", escreveu o petista em sua página na internet.

Apesar de o Supremo ser a instância máxima do Judiciário brasileiro, o político disse que vai solicitar ao STF "uma nova análise, isenta, sem os holofotes interferentes e levando em conta prioritariamente as provas contidas nos autos do processo".

Presidente da Câmara dos Deputados de 2003 a 2005, Cunha foi condenado pelos crimes de peculato, corrupção passiva e lavagem de dinheiro. "É fato que João Paulo Cunha reuniu-se com Marcos Valério na residência oficial da Câmara dos Deputados exatamente na véspera do pagamento da propina recebida pelas mãos da sua esposa", disse o ministro Joaquim Barbosa durante o julgamento.

Para o petista, o relator do mensalão, muitas vezes, conduziu a ação "contra as provas". Na nota, Cunha diz que Barbosa "confunde os ministros e a sociedade com informações distorcidas e embaralhadas".