Consultor-geral diz que foi enganado pela cúpula da AGU

O consultor-geral da União, Arnaldo Sampaio de Godoy, disse que foi "enganado" pela cúpula da Advocacia-Geral da União (AGU) e "usado" pelo esquema de corrupção investigado pela Polícia Federal. "Estou com ódio, raiva. Eu fiz um parecer sem saber do que estava acontecendo", disse. E criticou José Weber Holanda, que perdeu o cargo de advogado-geral-adjunto após ser indiciado: "Ele era um amigo. Fui enganado". 

Godoy revelou como o esquema atuou na AGU, órgão que defende a União em causas na Justiça, por meio de Weber. Godoy encaminhou os processos à corregedoria do órgão para análise e pediu a suspensão deles. As informações são do jornal Folha de S. Paulo.

Segundo a PF, Weber, que atuava como braço direito do advogado-geral, Luís Inácio Adams, recebeu dinheiro para alterar na AGU decisões em favor da quadrilha. Godoy afirmou que em processo relativo ao uso de uma ilha no litoral paulista, a Caneu, Weber assinou despacho extrapolando sua função ao reverter decisão da AGU em São Paulo que havia impedido o ex-senador Gilberto Miranda de ocupar o local. 

Segundo Godoy, só após a PF revelar o esquema, a AGU descobriu a existência do parecer que permitiu a ocupação da ilha pelo ex-senador. Weber negou ter enganado Godoy. "Dei minha opinião sobre um parecer ao ser questionado por ele. E ele teve a mesma opinião depois".