Enem: diretor de pior escola de SP se diz 'surpreso' com resultado

O desempenho das escolas na edição de 2011 do Enem foi divulgado na quinta-feira e pode ser consultado no site do MEC. Segundo o levantamento, das pouco mais de 10 mil escolas analisadas, 47,62% eram privadas. A maior dos estudantes que prestaram o exame (83,86%) tem renda familiar per capita entre um e cinco salários mínimos (de R$ 622,00 a R$ 3,1 mil).

Diretor da escola estadual Professor Dimas Mozart e Silva há dois anos, Claudio Pereira dos Santos recebeu com "surpresa" a notícia de que a escola teve o pior desempenho entre todas do Estado de São Paulo no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Os 13 alunos da unidade que fica em Taquarituba, cidade localizada há aproximadamente 320 km da capital paulista, atingiram a média de 394 pontos.

"(Recebemos a notícia com) Muita tristeza e surpresa pelo trabalho que realizamos neste ano na escola. Não esperávamos esse resultado. Para nós é totalmente surpreendente", afirmou por telefone ao Terra.

Apesar da nota baixa, o diretor da unidade diz que não tem problemas de falta de estrutura ou de professores na escola, que conta com quase 30 profissionais para ensinar os quase 550 estudantes matriculados. De acordo com ele, como o exame não é obrigatório, alguns adolescentes não deram "importância" para a prova.

"A grande dificuldade dos alunos, não só nessa escola , é a leitura de textos. Embora a escola trabalhe isso, eles têm essas dificuldades mesmo assim. Como está na nota oficial de secretaria (de Educação do governo do Estado), por mais que você conscientize (o aluno) sobre o Enem, nem todos vão dar importância. Se um (aluno) vai mal, já fica complicado", argumenta.

Ainda segundo o diretor, a escola conta com laboratório de informática, sala de leitura e lousa digital. Além disso, há um projeto para ajudar os estudantes com dificuldade na leitura. "É uma escola que tem uma boa estrutura, tem uma proposta pedagógica. Tem um currículo que os professores segue. Foi muito surpreendente, fizemos projetos para sanar as dificuldades de leitura (dos alunos)", disse.

Por causa do resultado, Santos diz que vai "refletir". "Estamos tomando conhecimento desse resultado. Vamos refletir sobre isso. Vamos sentar, rever a nossa proposta, os trabalhos e os projetos para intensificar as ações", falou.

De acordo com o MEC, a média das escolas privadas ficou em 596,2 pontos. Já as escolas da rede pública alcançaram 474,2 pontos. Entre as 100 primeiras colocadas no levantamento, apenas dez são públicas.