Em bilhete apreendido pela PF, Cachoeira se compara a Dirceu 

Em um bilhete apreendido pela Polícia Federal na casa de sua mulher, Carlinhos Cachoeira se compara ao ex-ministro José Dirceu. "Se eu sou um consultor da Delta e estou preso, e o Zé Dirceu que é um consultor da Delta? Qual a diferença entre nós?", diz o texto conseguido em julho na residência de Andressa Mendonça. 

A Polícia Federal não investigou nenhuma relação de Dirceu com a Delta. Na época, o ex-ministro ainda não havia sido condenado pelo Supremo Tribunal Federal, no processo do mensalão. As informações são do jornal Folha de S.Paulo.

O advogado de José Dirceu, Jose Luis de Oliveira, disse que o bilhete é "irrelevante". O advogado de Cachoeira, Nabor Bulhões, disse não ter conhecimento da existência do papel. Durante a Operação Monte Carlo, deflagrada em 29 de fevereiro, a PF investigou as relações entre Cachoeira e a Delta, especialmente no Centro-Oeste. 

A PF chegou a apontar Cachoeira como sócio oculto da Delta. Laudos da polícia indicaram que verbas da empreiteira abasteceram empresas de fachada ligadas a Cachoeira. Somente no ano eleitoral de 2010, o contador de Cachoeira, Geovani Pereira da Silva, único foragido até hoje, sacou R$ 8,5 milhões que saíram dos cofres da construtora Delta, empresa que detém contratos milionários com o poder público.