Juíza interrompe júri de Bruno após depoimento de 1ª testemunha

A juíza Marixa Fabiane decidiu suspender, por volta das 19h30 desta segunda-feira, o julgamento do goleiro Bruno e outros três réus acusados de matar a ex-amante do jogador, Eliza Samudio, em 2010. O júri foi interrompido após a oitiva da primeira testemunha, Cleiton da Silva Gonçalves, amigo e ex-motorista de Bruno.

Tão logo a juíza interrompeu o depoimento, o promotor pediu à magistrada não liberá-lo até que seja ouvida outra testemunha arrolada pela acusação, chamada João Batista. A juíza aceitou, e o ex-motorista de Bruno não pode voltar para casa até a terça-feira, quando essa testemunha será ouvida. O julgamento será retomado às 9h.

Cleiton foi a primeira pessoa ouvida durante o julgamento do caso Eliza Samúdio, pelo promotor Henry Vasconcelos. O motorista de Bruno, que chegou a assumir que dirigia o jipe do goleiro quando o carro foi apreendido pela polícia, dois dias antes da ex-amante ter sido morta, segundo a polícia, disse que nunca viu nem soube quem era a vítima. Ainda afirmou que ficou sabendo do crime pela imprensa.