Mãe é suspeita de vender recém-nascido por R$ 300 no RS 

A Polícia Civil de Viamão, região metropolitana de Porto Alegre, investiga desde segunda-feira o caso de uma mulher, viciada em crack, suspeita de ter vendido sua filha recém-nascida por R$ 300. Um casal, que receberia a menina, e uma pessoa que seria a agenciadora do negócio também são investigados. 

O Conselho Tutelar da cidade foi avisado sobre o caso dois dias depois da mulher de 35 anos dar entrada no hospital em trabalho de parto. Ao se registrar na instituição, a grávida apresentou uma certidão de nascimento, que, segundo a denúncia, estava em nome da compradora do bebê. As informações são do jornal Zero Hora.

A mãe teria contado para a suposta intermediadora sobre vontade de vender a criança, seu sétimo filho, e ela, então, teria apresentado um casal à gestante. Após o nascimento, um homem foi ao hospital e disse ser o pai da recém-nascida. Retirou a Declaração de Nascido Vivo e, em um cartório, registrou a menina em seu nome e da titular da certidão apresentada pela gestante. 

Ontem, em depoimento na DP, a mãe biológica confessou ter usado a certidão de nascimento de outra mulher. O pai biológico seria um detento do Instituto Penal de Viamão. "Ela conta que tinha a intenção de dar a criança, e alega não tê-la vendido", disse o policial.