Mensalão: Ministro Joaquim Barbosa inicia nesta quarta-feira leitura de seu voto

O ministro-relator da ação penal do mensalão, Joaquim Barbosa, vai iniciar nesta quarta-feira, na segunda parte da sessão plenária, a leitura do seu voto de cerca de mil páginas, que deve consumir ainda, pelo menos, outras três sessões — a de quinta-feira e as das próximas segunda-feira e quarta-feira. O adiantamento foi possível por que, nesta quarta-feira, serão proferidas as três últimas sustentações orais da defesa — as dos réus José Luiz Alves, Duda Mendonça e Zilmar Fernandes.

Nesta terça-feira, no nono dia do julgamento da Ação Penal 470, os advogados dos ex-deputados federais Paulo Rocha (PT-PA), Professor Luizinho (PT-SP), João Magno (PT-MG) — todos acusados de lavagem de dinheiro — pediram a absolvição dos réus, negando sua participação no esquema de compra e venda de votos para apoiar matérias de interesse do Governo Lula, mas admitiram terem recebido “recursos” não declarados (caixa dois) para saldar dívidas ou pagar custos referentes a campanhas eleitorais.

>> Advogado de Paulo Rocha (PT-PA) também alega dívidas de campanha

>> Defensor de Professor Luizinho desqualifica crime de lavagem 

>> Defesa de João Magno também diz que réu recebeu dinheiro de Delúbio

>> Defesa de Anderson Adauto reconhece caixa dois, mas refuta corrupção ativa 

A defesa do ex-ministro dos Transportes Anderson Adauto (ex-PL, atualmente no PMDB) e prefeito de Uberaba (MG) também pediu a absolvição do réu (corrupção ativa e lavagem de dinheiro) em sustentação oral de apenas 25 minutos. O advogado Roberto Pagliuso  desqualificou as acusações do Ministério Público, na linha da inépcia da denúncia, admitindo também a intermediação do ex-ministro em operações de caixa dois.

Contando as cinco sustentações orais desta terça, o Supremo já ouviu 35 dos 38 advogados do processo do mensalão.