Ministros vão analisar pedido para incluir Lula, diz advogado 

O pedido de inclusão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no processodo mensalão foi uma forma de mostrar como a ação penal era "açodada e incompleta", afirmou nesta segunda-feira o advogado Luiz Francisco Corrêa Barbosa, que defende o presidente do PTB, Roberto Jefferson. O representante do delator do mensalão disse, no intervalo da sessão de hoje no Supremo Tribunal Federal (STF), desconhecer o que seu cliente pensa sobre sua acusação de que Lula era mandante do esquema, mas garante que os ministros vão analisar a questão.

"Foi formalizado. Não sei se vocês notaram, mas todos os ministros anotaram (durante o julgamento)", disse o advogado. "Ela foi sob o enfoque constitucional, como aquela de tema já requisitado que o Márcio (Thomaz Bastos, que pediu o desmembramento do mensalão) revisitou", comparou.

Em sustentação oral nesta segunda-feira, Barbosa afirmou que Lula era o mandante do mensalão, baseando-se em uma Medida Provisória que teria favorecido o banco BMG nas operações de créditos consignados. A denúncia cita empréstimos do BMG e do Banco Rural como fonte financeira do chamado valerioduto. A procuradoria não incluiu ninguém do BMG como réu por não encontrar associação entre os dirigentes do banco e a suposta quadrilha.

Questionado se estaria contrariando o entendimento de seu cliente, que sempre afastou Lula do escândalo, Barbosa disse que é o patrono da defesa e que não poderia se omitir diante de sua "descoberta". "Eu parti para a investigação, era meu papel de advogado. Não há incompatibilidade entre o que ele disse e o que foi apurado por mim", disse o advogado, que afirma desconhecer por que a Procuradoria Geral da República deixou de citar o ex-presidente.

"Isso tem que ser perguntado para ele (o procurador Roberto Gurgel). Eu acho que ele tem esse processo de brincadeirinha, para não pegar quem tinha que pegar", disse, sugerindo que Gurgel premeditou um suposto favorecimento a Lula. "Eu já acho que foi de caso pensado. Isso é uma turma. É um bando de zagueiros do Lula."