Começa sessão da CPI que vai ouvir mulher de Cachoeira

Começou a sessão da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) que investiga as relações de Carlinhos Cachoeira com agentes públicos e privados. Hoje, será ouvida a atual mulher do contraventor, Andressa Mendonça. 

Ela é suspeita de atuar como laranja do esquema de Cachoeira. Além disso, será questionada sobre a acusação de tentativa chantagear o juiz federal Alderico Rocha Santos, de Goiânia, responsável pelo processo da Operação Monte Carlo na Justiça Federal. Segundo o magistrado, ela ameaçou divulgar um dossiê contra ele, supostamente preparado por um jornalista da revista Veja, se ele não libertasse Cachoeira. Na última terça-feira, Andressa pagou fiança de R$ 100 mil à Justiça Federal para não ser presa.

Andressa foi convocada como testemunha, mas o senador Randolfe Rodrigues (Psol-AP) quer ouvi-la na condição de investigada.

O presidente da CPMI, senador Vital do Rêgo (PMDB-PA), negou nesta segunda-feira pedido de adiamento do depoimento de Andressa Mendonça. O pedido foi feito na última sexta-feira pelo advogado José Gerardo Grossi, com o argumento de que ela não havia sido intimada pessoalmente.

Também foi convocado para depor hoje o agente aposentado da Polícia Federal Joaquim Gomes Thomé Neto, suspeito de fazer interceptação ilegal de e-mails para Cachoeira, mas ele dispõe de habeas corpus que lhe garante o direito de permanecer em silêncio e só falará se quiser.