Regiões onde 31 morreram por gripe A não terão novas doses da vacina 

As 196 mil doses extras da vacina contra a gripe A (H1N1) destinadas ao Rio Grande do Sul começaram a ser distribuídas nesta segunda-feira no Estado. Essa remessa, no entanto, não será direcionada às regiões onde ocorreram 31 das 47 mortes pela doença: Porto Alegre, Santo Ângelo e Cruz Alta.

A Secretaria Estadual da Saúde explica que essas regiões já foram contempladas anteriormente com outras doses. O foco agora é a imunização nas demais coordenadorias regionais e atendem aos critérios de população e maior ocorrência crescente de casos.

De acordo com o último balanço divulgado pelo governo, 340 casos da doença já foram confirmados. Há ainda 501 casos e oito mortes sendo investigadas. A secretaria da Saúde informa que uma nova remessa de 100 mil doses da vacina foi prometida pelo Ministério da Saúde, no entanto ainda não há previsão para a data de entrega.

Na quinta-feira passada, o ministério reforçou a orientação para que os médicos receitem o antiviral oseltamivir, conhecido pelo nome comercial Tamiflu, a todos os pacientes com síndrome gripal residentes em estados com maior circulação do vírus Influenza H1N1, mesmo antes de resultados de exames laboratoriais ou sinais de agravamento da doença.

Todos os Estados e municípios estão abastecidos com o oseltamivir. O governo federal repassou às secretarias estaduais de saúde 418,8 mil caixas do remédio. Cada caixa contém dez comprimidos, suficientes para um tratamento completo.

A síndrome gripal é caracterizada pelo surgimento simultâneo de febre e tosse ou dor de garganta, dor de cabeça, muscular ou nas articulações. O antiviral, que reduz as chances de que a doença evolua para um caso grave, tem maior eficácia quando tomado nas primeiras 48 horas desde o início dos sintomas.