Russomanno fez lobby por doador contra a Coca-Cola, diz jornal 

Candidato do PRB à prefeitura de São Paulo, Celso Russomanno teria se valido do mandato de deputado federal para defender o empresário Laerte Codonho, condenado à prisão por crime contra a ordem tributária. Dono dos refrigerantes Dolly, Codonho foi o principal doador da campanha de Russomanno de 2010 pelo governo paulista: R$ 250 mil por meio da empresa Tholor do Brasil. A Dolly patrocinou o Programa Celso Russomanno, exibido pela TV Gazeta entre 2006 e 2008. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

Deputado pelo PP em 2004, Russomanno apresentou à Comissão de Defesa do Consumidor requerimento pedindo a investigação de denúncias de concorrência desleal da Coca-Cola contra a Dolly. Codonho acusava a multinacional de espionagem e até de agressões físicas, em suposta estratégia para "quebrar" sua empresa. Além de solicitar audiência no Congresso para ouvir a Dolly, Russomanno defendeu que a Coca-Cola deveria informar se seu produto continha extrato vegetal da folha de coca. "Toda vez que tiramos uma empresa do mercado, seja nacional, seja estrangeira, estamos impedindo que o consumidor tenha opção", disse o deputado no plenário da comissão. Na época, executivos da multinacional disseram que Codonho criara a disputa para vender sua empresa para a Coca-Cola, o que ele nega. "Nesse mercado de cerveja e de refrigerante, (...) absolutamente ninguém é santo", desabafou Russomanno. Em 2003, no programa 100% Brasil, da Rede TV!, patrocinado pela Dolly, Russomanno defendeu que "é crime não informar corretamente ou fazer publicidade e não dizer o que é que está compondo o xarope da Coca-Cola". O Tribunal de Justiça de São Paulo condenou Codonho e a Rede TV! a pagarem indenização de R$ 2 milhões à Coca-Cola. Cabe recurso.