AL: polícia prende quadrilha liderada por agente penitenciário 

Maceió - A Polícia Civil de Alagoas desbaratou, neste sábado, uma organização criminosa encabeçada pelo agente penitenciário terceirizado José Márcio Rocha da Silva, 35 anos. O grupo é acusado de participação em pelo menos cinco assassinatos, alguns deles com requintes de crueldade. Entre os crimes estão as mortes do babalorixá Márcio Lira Silva e seu companheiro, que desapareceram no dia 28 de março. Os corpos das vítimas foram encontrados no dia 11 de abril, com os olhos perfurados e as mãos arrancadas.

O outro assassinato atribuído ao grupo é o do taxista Handerson Thiago Alves Martins, sequestrado com a namorada e obrigado a viajar até um canavial, na cidade de Pilar - zona da mata alagoana. No local, ele foi despido e executado, e a namorada obrigada a assistir a cena. Um policial militar também está na lista dos executados pela organização criminosa.

Cinco pessoas foram presas neste sábado: Claudevan Rafael Rodrigues, Genilson Ferreira da Silva, Williams José Costa dos Santos, José Márcio Rocha da Silva e Jean Pontes da Silva. A quadrilha era composta ainda por Wellyngton da Silva e Alexandro da Conceição, que já estão presos no sistema prisional alagoano.

"Cada um tinha uma função específica dentro da quadrilha. A intenção era a prática de latrocínio, considerado crime hediondo", informou a delegada Ana Luiza, responsável pelas investigações. A operação foi acompanhada, ainda, pela secretária Nacional de Segurança Pública, Regina Miki, que fica em Alagoas até domingo para acompanhar as ações do Plano Brasil Mais Seguro - experiência piloto, adotada em Alagoas, no combate ao crime organizado. O Estado é o mais violento do Brasil, segundo números do Ministério da Justiça.

"É a qualidade das prisões e não a quantidade que nos interessa. O importante é tirar de circulação os que fazem a diferença na criminalidade", disse a secretária. Segundo o governo do Estado, em dez dias, houve uma queda de 50% dos assassinatos.