Começa depoimento de jornalista que trabalhou na campanha de Perillo

A Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) que investiga as relações do contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, com agentes públicos e privados começou a ouvir o depoimento do jornalista Luiz Carlos Bordoni, que fez a campanha de rádio do governador de Goiás, Marconi Perillo, em 2010. 

A ex-chefe de gabinete de Perillo Eliane Gonçalves Pinheiro obteve na Justiça o direito de permanecer em silêncio, e o presidente da Agência Goiana de Transportes e Obras (Agetop), Jayme Rincón, enviou um atestado médico à comissão e não deverá comparecer.

Bordoni já afirmou anteriormente que seu trabalho na campanha foi pago com dinheiro da Alberto & Pantoja Construções. Segundo a PF, a Alberto & Pantoja é uma empresa de fachada de Carlinhos Cachoeira para lavar dinheiro da empreiteira Delta Construções S.A. Parte do pagamento, no valor de R$ 45 mil, foi feito em um depósito na conta da filha do radialista, Bruna Bordoni, que já trabalhou no gabinete do senador Demóstenes Torres (sem partido-GO). 

O jornalista também afirmou que outra parte do pagamento foi feita diretamente por Perillo. O governador goiano negou o fato por meio de nota oficial, informando que "jamais fez pagamentos a quem quer que seja" e que sempre recebeu jornalistas em seu escritório, incluindo Bordoni, mas para conversas sobre temas políticos da época. Bordoni está sendo processado por Perillo.