Reunião de CPMI se transforma em embate entre governistas e oposição

A reunião de nesta terça-feira (26) da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) do Cachoeira, destinada à oitiva de testemunhas, acabou se transformando em mais um embate entre oposicionistas e governistas. Enquanto o relator da comissão, deputado Odair Cunha (PT-MG), insistia em saber detalhes do serviço de reforma prestado pelo arquiteto Alexandre Milhomem à mulher do empresário, Andressa Mendonça, alguns deputados diziam que era desnecessária a convocação dele. O arquiteto confirmou ter sido contratado por Andressa.

O senador Álvaro Dias (PSDB-PR) questionou por que o relator retirou de pauta a convocação do empresário Fernando Cavendish, ex-diretor da matriz da empresa Delta. "É uma vergonha para essa CPI que não tenhamos convocado o senhor Fernando Cavendish e estejamos aqui ouvindo um arquiteto", disse. "É uma brincadeira essa convocação."

"Não vamos convocar o senhor Fernando Cavendish, que diz que compra senador por R$ 6 milhões. Ele tem quer vir aqui dizer qual senador comprou, e não o arquiteto vir aqui falar sobre papel de parede", reclamou o parlamentar paranaense.

O senador Pedro Taques (PDT-MT) também criticou a convocação do arquiteto. "O relator deveria explicar o porquê das perguntas, porque nós não conseguimos ainda entender."

Outra convocação defendida por integrantes da comissão foi a do ex-diretor do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) Luiz Antônio Pagot.

O deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP) aproveitou para criticar o relator e acusá-lo de direcionar as investigações para o governo de Goiás. "O papel que Vossa Senhoria está fazendo deprecia essa CPI. É a primeira CPI na qual me sinto diminuído de participar", disse Sampaio.

A deputada Iris de Araújo (PMDB-GO) defendeu o relator e afirmou que o foco em Goiás faz sentido, na medida em que toda investigação aponta para a infiltração de Cachoeira na estrutura do governo do estado."O relator está sendo acusado de direcionar seu olhar, sua investigação, para o estado de Goiás. Mas as pessoas se esquecem que o governador [Marconi] Perillo veio aqui, falou o que quis dizer, terceirizou muita coisa e não explicou nada."

Segundo Iris de Araújo, o relator tem que buscar provas. Para ela, todo e qualquer assunto que for abordado na CPMI chegará a Goiás, "como todos os caminhos levam a Roma." "Lá é que está infiltrado esse crime que está tomando conta [do país] e tem tentáculos no Brasil inteiro", disse a deputada. Ela protestou contra o silêncio de duas testemunhas ligadas a Perillo, que compareceram à comissão amparados por habeas corpusconcedidos pelo Supremo Tribunal Federal.