Relator defende depoimento de arquiteto e não recua na investigação 

Criticado por parlamentares do PSDB e do PPS, que fazem oposição ao governo, o relator da CPMI do Cachoeira, deputado Odair Cunha (PT-MG), disse que não vai recuar “na investigação dessa organização criminosa que está infiltrada no governo de Goiás, comandado pelo PSDB”.

Cunha foi questionado sobre a razão pela qual a comissão está ouvindo um arquiteto que nada teria a ver com o esquema de Cachoeira, enquanto deveria estar ouvindo o ex-presidente da empreiteira Delta Fernando Cavendish, que seria comprovadamente ligado ao contraventor.

O deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP) ironizou as perguntas do relator sobre local onde o arquiteto comprou o papel de parede que utilizou na decoração da casa vendida pelo governador de Goiás, Marconi Perillo, enquanto a imprensa divulga que recursos da empreiteira Delta foram utilizados em campanhas do PT.

“Cada coisa no seu tempo e no seu momento”, respondeu o relator. Segundo ele, nada impede que a CPMI investigue depois a ligação da Delta com qualquer governo.

Cunha afirmou também que não iria “bater boca” com Sampaio, que estaria fazendo seu papel como aliado de Perillo. Apenas reafirmou que, com o depoimento do arquiteto, está tentando estabelecer a data em que foi feita a decoração da casa, porque pode ter sido anterior à sua venda pelo governador.

A reunião de hoje foi convocada para ouvir três depoimentos relacionados à venda da casa, que foi paga com cheques de uma empresa ligada ao contraventor Carlos Cachoeira. Os dois primeiros depoentes se recusaram a depor.

Com informações da Agência Câmara