Caso Cachoeira: CNMP vai a Goiânia apoiar procuradora ameaçada 

O Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) decidiu, nesta terça-feira, instituir uma comissão que irá à Goiânia visitar a procuradora da República Léa Batista, ameaçada por sua participação nas investigações da Operação Monte Carlo. O objetivo é prestar apoio à procuradora, e manifestar repúdio a qualquer tentativa de intimidação a membros do Ministério Público.

A decisão foi tomada durante a sessão ordinária do CNMP, depois que o corregedor nacional, Jeferson Coelho, relatou ter recebido ofício do presidente da Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR), Alexandre Camanho, solicitando que fossem tomadas medidas cabíveis para garantir a segurança da colega.

“A unidade de segurança institucional da PGR e o Conselho já estavam acompanhando o caso quando a segunda ameaça foi enviada por e-mail à procuradora. Já solicitamos apoio à Polícia Federal, e estamos em contato permanente com os membros envolvidos. A ameaça à procuradora é uma ameaça a todo o Ministério Público”, afirmou o presidente do CNMP, Roberto Gurgel.

Dez dias depois de receber um e-mail com intimidações feitas por um suposto réu da Operação Monte Carlo, chegou à caixa da procuradora Léa Batista, no último sábado, uma nova mensagem. No texto, o autor afirmou que a procuradora deveria ter cuidado, e que ela e a família corriam perigo.