Relator do Conselho de Ética diz que Demóstenes mentiu para os senadores   

O senador Humberto Costa (PT-PE) afirmou, durante a leitura de seu relatório no Conselho de Ética e Decoro Parlamentar, que o senador Demóstenes Torres (sem partido-GO) faltou com a verdade, em pronunciamento no dia 6 de março, ao se manifestar sobre as denúncias que o acusavam de envolvimento com o empresário Carlinhos Cachoeira, preso pela Polícia Federal.

Na ocasião, destacou o parlamentar, o senador goiano alegou que “mantinha relacionamento de amizade com Carlinhos Cachoeira, mas que com ele não entabulara negócios”.

Segundo Humberto Costa, a divulgação de conversas sobre a votação de projetos de interesse de Cachoeira no Congresso já justificaria a abertura de processo administrativo disciplinar contra Demóstenes Torres.

– Tudo leva a crer que Sua Excelência se contradiz e teria faltado com a verdade perante seus Pares – assinalou Humberto Costa que recomenda a abertura de processo contra Demóstenes Torres em seu relatório preliminar.

- O que está em debate não é a imagem do parlamentar, mas do Parlamento. Se atinge a imagem do Senado Federal, não se pode subtrair os fatos graves narrados - disse.

Ao apresentar sua defesa por escrito no último dia 25, Demóstenes sinalizou para o conselho que vai tentar anular o processo, se identificar falhas jurídicas. Por esse motivo, o relator não mencionou as escutas feitas pela Polícia Federal, assim como matérias publicadas pela imprensa sobre o caso no relatório preliminar.

Humberto Costa ressaltou, no entanto, que o PSOL exerce seu pleno direito de requerer abertura do processo à luz da divulgação das informações e citou a postura favorável de Demóstenes Torres à utilização de reportagens jornalísticas em processos anteriores contra parlamentares.

 - Quando se debateu neste conselho a possibilidade ou não do uso exclusivo de matéria jornalística como base para recebimento de representação, a postura do senador Demóstenes, como membro do órgão, foi no sentido de acolhimento – disse.