Soninha: mesmo sendo o mais 'viável', Serra não é imbatível

A pré-candidata do PPS à Prefeitura de São Paulo, Soninha Francine, afirmou nesta segunda-feira que o candidato José Serra (PSDB) é o mais viável eleitoralmente na disputa, mas não é imbatível. "Ele (Serra) parte de um patamar muito maior do que os outros. Mas temos uma eleição em dois turnos e pode acontecer muita coisa. Quero estar no segundo turno e ser prefeita. Imbatível ninguém é", disse. Em outro momento, ela afirmou que Serra é o político da atualidade que ela mais admira.

Soninha justificou a sua saída de seu antigo partido, o PT, pelo qual se elegeu vereadora, em 2008. "Sempre fui petista, fiz campanha, acompanhava atuação da bancada de vereadores. Quando fui candidata pelo PT, com a estrutura do partido, comecei a me desapontar com algumas coisas", disse ela. Durante a campanha, Soninha afirmou ser comum a "contratação" de lideranças comunitárias para conseguir votos em uma determinada região. "O que a gente ouvia é que era assim mesmo. Fulano tem 15 mil votos e por isso deveria receber para pedir votos para os candidatos", revelou.

Soninha, que foi do PT, trabalhou na gestão de Gilberto Kassab (então no DEM) e atuou na campanha de José Serra à presidência da República, em 2010, disse estar bem à vontade para fazer críticas e elogios a todos: "Como vereadora, aprovei coisas do governo da Marta Suplicy (2004-2008), como por exemplo o modelo dos CEUs na educação. Não é simplesmente uma escola, mas um equipamento comunitário. insisti para que não se descontinuasse o projeto".

Soninha disse que se fosse eleita prefeita, seu primeiro ato administrativo seria promover a reocupação no centro da cidade. "Se o Poder Público não tomar providência, terrenos e áreas interessantes do Centro serão utilizadas para imóveis de alto padrão. Vamos identificar terrenos para equipes de baixo custo", afirmou.