Quase 2 anos após enchentes, Alagoas reconstruiu só 8,3% de casas 

Quase dois anos depois das enchentes arrasarem 19 cidades de Alagoas e destruírem 17.500 casas, em junho de 2010, 91,7% destas mesmas residências ainda não foram reconstruídas. No entanto, o Programa de Reconstrução, que custou mais de R$ 500 milhões, não registra atrasos. O que afeta a entrega das novas casas é o sistema "conta-gotas". Em dezembro, 1.479 moradias foram entregues. Nesta sexta-feira, serão 451 na cidade de Palmeira dos Índios.

As cheias que atingiram Alagoas e Pernambuco fizeram os rios Paraíba e Mundaú transbordarem. Na época, carros foram arrastados, casas, pontes e escolas ficaram destruídas e 47 pessoas morreram no dois Estados. No total, 26 cidades decretarem situação de calamidade pública.

Vinte e dois meses após a tragédia, a maioria das cidades alagoanas ganharam um cenário diferente: 54 pontes foram reconstruídas, 524 km de rodovias vicinais, 71 km de estradas estaduais e 136 mil m² de pavimentação urbana estão prontos.

O grande problema são as casas, que dependem das construtoras e da Caixa Econômica Federal. As primeiras residências entregues em dezembro do ano passado, estavam incompletas: faltavam torneiras, janelas, reboco, pias, sanitários e até fiação elétrica. Após protestos dos moradores dos novos conjuntos habitacionais, os itens foram entregues.

No entanto, há ainda 16.059 casas em processo de conclusão e sem data para entrega. "Mesmo com tantas dificuldades, nossos técnicos trabalharam e continuam trabalhando dia e noite para que todas as famílias atingidas retomem a normalidade de suas vidas o mais rápido possível e com qualidade de vida, com condições ainda melhores do que as que viviam antes", disse o secretário de Infraestrutura de Alagoas, Marco Fireman.

As casas têm dois quartos, sala, cozinha, banheiro e área de serviço, com forro PVC e cerâmica na cozinha e no banheiro. Além de toda a infraestrutura, como esgoto, água, energia elétrica e calçamento.

As casas de hoje vão ser entregues pelo governador Teotonio Vilela Filho (PSDB) na cidade de Palmeira dos Índios, no sertão alagoano. O evento promete ser grande: o senador Renan Calheiros (PMDB); o filho dele, o deputado federal Renan Filho (PMDB) e o prefeito de Palmeira, James Ribeiro (PSDB) - que disputa a reeleição, com apoio de Vilela e Renan - devem comparecer a cerimônia.

O governo de Alagoas não tem data para concluir o Programa de Reconstrução das 17.500 mil casas destruídas pelas e especula, para o mês de junho, a entrega de 781 moradias em Quebrangulo, Satuba e Atalaia.