Governo de São Paulo suspeita de sabotagem nas linhas da CPTM 

O secretário estadual de Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, afirmou nesta sexta-feira que a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) abriu seis inquéritos para apurar supostos atos de sabotagem em suas linhas, com reflexo para os usuários do sistema.

De acordo com ele, as duas falhas verificadas na manhã desta sexta-feira - nas linhas 12-Safira e 11-Coral - estão na lista. Ao lado do governador Geraldo Alckmin (PSDB), Jurandir participou na manhã desta sexta-feira da entrega de um novo trem para a Linha 8-Diamante. O descarrilamento de um trem vazio em fevereiro também está sob investigação.

"Não houve roubo dos cabos na linha 12, como chegou a ser noticiado, foi sim um ato de vandalismo. Não podemos dizer que tudo o que acontece na CPTM são casos de sabotagem ou vandalismo, já que falhas também ocorrem. Mas estamos atentos a algumas coincidências", afirmou o secretário.

Nesta manhã um equipamento de sinalização da via foi depredado, com fios arrancados na linha 12. Por conta disso, no trecho entre as estações Itaquaquecetuba e Calmon Viana, ambas na região metropolitana de São Paulo, os trens circulavam apenas por uma via, o que provocou maior intervalo e maior tempo de parada nas plataformas.

Pouco antes das 6h, em outra via da CPTM, a Linha 11-Coral, uma composição apresentou problemas próximo à estação Guaianazes, na zona leste da capital. Os passageiros tiveram que descer do trem para que ele fosse recolhido, o que também gerou lentidão na circulação da linha. Segundo Jurandir Fernandes, uma calça foi atirada sobre o pantógrafo, que alimenta a composição com energia elétrica.

"É a primeira vez que estamos falando isso porque agora temos indícios concretos sobre o que está acontecendo. A Polícia Civil de São Paulo já está trabalhando para que se encontrem os responsáveis". O secretário saiu pela tangente ao ser questionado sobre supostas motivações políticas. "Estamos acompanhando os casos de perto e há fortes indícios de que houve sabotagem. Porém, tudo o que eu disser é especulação".