Preso, Cachoeira não vai a enterro de mãe

A mãe de Carlos Augusto de Almeida Ramos, o Carlinhos Cachoeira - preso pela Polícia Federal por suspeita de chefiar a máfia dos caça-níqueis em Goiás -, morreu na madrugada desta segunda-feira em Anápolis, a 55km de Goiânia. Maria José de Almeida Ramos, de 79 anos, conhecida como dona Zezé, estava internada com infecção pulmonar e morreu de múltipla falência dos órgãos.

O corpo será velado em uma funerária localizada em frente ao Cemitério São Miguel, onde será enterrado por volta das 17h.

De acordo com a defesa de Cachoeira, ele soube da morte da mãe, mas não vai ao enterro, já que o procedimento para liberação do presídio de Mossoró (Rio Grande de Norte), que é de segurança máxima, levaria dias. Os advogados chegaram a tentar a liberação, mas reforçaram que isso só seria possível se ele estivesse em uma penitenciária de Goiás. 

Os advogados reforçaram também que esta situação feriria os direitos humanos básicos, e que Cachoeira não precisaria estar num presídio de segurança máxima porque é réu primário. 

Familiares de Cachoeira acreditam que o estado de saúde de dona Zezé tenha se agravado depois das denúncias e prisão do filho na Operação Monte Carlo.