José Serra evoca gestões passadas na disputa à prefeitura de SP 

O ex-prefeito de São Paulo, ex-governador do Estado e atual pré-candidato do PSDB à prefeitura da capital, José Serra, indicou nesta quinta-feira que pretende evocar muito de suas gestões passadas na disputa pelo comando da maior cidade do país. Em entrevista à rádio Bandeirantes, Serra defendeu seu governo e citou realizações de seus mandatos como prefeito e governador para responder a perguntas sobre qualquer tema.

"Quando eu assumi a prefeitura, não tinha nada em caixa, filas de credores, mato crescido alto, subprefeituras loteadas", começou ele. "Nós conseguimos recuperar, fizemos AMAs (Assistência Médica Ambulatorial), o programa (de Saúde) Mãe Paulistana", enumerou. 

Confrontado com os problemas no transporte público - principal tema que deverá ser usado pelo pré-candidato do PT, Fernando Haddad, para atacá-lo -, Serra responsabilizou a grande demanda surgida com interligações entre linhas do Metrô e CPTM, e o sistema de ônibus deficiente. "O grande problema do corredor de ônibus é o cruzamento, ele tem que ir parando em cada esquina. Por isso nós partimos para o monotrilho em Cidade Tiradentes", defendeu ele. 

Após criticar mais um pouco a gestão de sua antecessora na prefeitura, Marta Suplicy (PT), Serra defendeu o avanço do ensino profissionalizante técnico em São Paulo. "Quando eu assumi (a prefeitura), havia 22 faculdades e escolas técnicas na capital. Quando saí, tinha 45", afirmou. 

O pré-candidato ainda defendeu a ação policial na Cracolândia, o veto a sacolas de plástico em supermercados e disse pretender continuar o megaprojeto de ligação da avenida Roberto Marinho com a rodovia dos Imigrantes - obra de custo estimado em R$ 4 bilhões, e que terá de remover cerca 40 mil pessoas. "Pra São Paulo não retroceder, tem que avançar correndo", disse.