Construtora Delta cobraria favores no DF por doações eleitorais 

Maior empreiteira do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), a Delta Construções S.A. teria negociado facilidades em contratos diretamente com a cúpula do Governo do Distrito Federal (GDF) em troca de favores de campanha eleitoral, como indicam grampos da Polícia Federal. Em conversas gravadas na Operação Monte Carlo, aliados do contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, acusado de comandar uma rede de jogos ilegais no país, revelam que a diretoria da empresa no Rio de Janeiro "cobrava a fatura" de doações eleitorais ao pressionar o Palácio do Buriti por nomeações e a liberação de verbas. 

Os diálogos sugerem ainda uma relação de proximidade entre Cachoeira e o dono da Delta, Fernando Cavendish. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Em 2010, a Delta Construções consta como doadora de R$ 2,3 milhões apenas a comitês partidários no país. Do total, R$ 1,1 milhão foi destinado ao Comitê Nacional do PT e o restante ao PMDB. Não consta na prestação de contas do então governador eleito do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT), entregue ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), doação da construtora. 

Com Agnelo eleito, segundo a PF, a Delta tentava emplacar aliados em cargos-chave de administrações regionais e do Serviço de Limpeza Urbana (SLU), o que facilitaria os negócios. Além disso, tentava receber débitos do governo do DF por serviços supostamente prestados. 

A Delta publicou em seu site uma nota a respeito da denúncia. Diz a nota:

"Em relação a reportagem do Jornal Nacional da Rede Globo, divulgada nesta terça-feira, 10 de abril, a Delta Construção esclarece desconhecer o teor, a motivação e a origem da gravação. A Delta detém o contrato de coleta de lixo no Distrito Federal conquistado por licitação em 2007 e começou a exercer esse contrato, por decisão judicial, em 11 de dezembro de 2010. O senhor João Monteiro jamais teve qualquer relação imprópria com a empresa. O senhor Claudio Monteiro sempre teve uma relação dentro dos padrões institucionais e protocolares com a Delta Construção. Idalberto Matias jamais foi funcionário da Delta. Claudio Abreu foi afastado da direção do escritório da Delta em Goiás no dia 8 de março deste ano em razão da extensão e da profundidade de sua relação com o senhor Carlos Augusto Ramos, investigado na Operação Monte Carlo".

A Delta foi constituída em outubro de 1961 no Recife, mas em 1995, passou por uma reformulação estratégica e decidiu diversificar suas atividades. Transferiu sua matriz para o Rio de Janeiro, implantou filiais em várias capitais do país e passou a atuar, também, em outros segmentos da engenharia.

Nesta quinta-feira, curiosamente, na barra de opções do site da empresa, o item REALIZAÇÕES está fora do ar.

Com Portal Terra