Paralisação de motoristas deixa 500 mil sem ônibus em Manaus 

Cerca de 500 mil pessoas ficaram sem condução na manhã desta terça-feira em Manaus. Esse é o número estimado de passageiros de transporte coletivo urbano na capital amazonense, que amanheceu com uma paralisação de aproximadamente 8 mil motoristas e cobradores.

Não houve uma definição exata por parte da categoria sobre os motivos reais da paralisação, que começou por volta das 5h. Atualmente, o sindicato representante dos rodoviários passa por uma disputa pelo poder. Uma junta governativa foi posta pela Justiça do Trabalho, mas um grupo contrário briga pela direção da entidade.

Durante as primeiras horas da manhã, a troca de acusações foi o que permeou todas as declarações dos dois grupos. Pelos dados oficiais da Superintendência Municipal de Transportes Urbanos (SMTU), circulam da cidade diariamente cerca de 1,6 mil ônibus.

Uma reunião de emergência foi convocada na sede da prefeitura. O prefeito Amazonino Mendes está viajando e, no seu lugar, assumiu interinamente o juiz de direito Lafayette Vieira Júnior, o mais antigo da comarca de Manaus, uma vez que a cidade não tem vice-prefeito e os vereadores da Câmara não puderam assumir por causa da legislação eleitoral.

O Ministério Público do Trabalho já convocou os representantes dos trabalhadores, das empresas de transporte e da prefeitura para uma reunião a fim de resolver o impasse. Informações não oficiais dão conta de que 95% da frota está paralisada.