Professor se irrita com som alto e mata vizinho no interior de São Paulo

A Polícia Civil de General Salgado, na região de Araçatuba, interior de São Paulo, procura um professor de ensino médio que no último domingo atirou contra seus vizinhos, matou um deles, feriu outro e fugiu. João Tadeu Arruda, 62 anos, é conhecido por ter descoberto uma nova espécie de crocodilo que viveu na região há milhões de anos.

Na madrugada de domingo, Arruda se irritou com o alto volume do som que vinha da casa vizinha, uma república de cortadores de cana nordestinos que se mudaram para a cidade há três meses para trabalhar em usinas da região. Segundo testemunhas, o professor foi até a residência, onde havia uma festa, pedir aos moradores que diminuírem o barulho, mas os cortadores de cana se recusaram. Depois de uma discussão, o suspeito voltou para casa, pegou uma espingarda e voltou para fazer vários disparos, matando o trabalhador rural José Raimundo Patrício Ferreira, 33 anos, que levou dois tiros. Um colega de Ferreira, Adriano dos Santos, 19 anos, também foi baleado e está internado em estado grave.

Arruda fugiu em seguida. Revoltados, outros cortadores de cana teriam apedrejado e ateado fogo na casa do professor, que é muito conhecido na cidade. Vizinhos evitaram que o fogo consumisse a casa toda. A polícia encontrou a arma usada no crime na casa de Arruda.

Nesta segunda-feira, o delegado seccional Nelson Barbosa Filho disse que o advogado do professor procurou a polícia dizendo que seu cliente deve se entregar. "O advogado disse que o professor deverá se apresentar à polícia nos próximos dias e que não se entregou antes por medo de sofrer retaliações dos cortadores de cana", disse o delegado.

Um dos filhos do professor, Érlon, disse que o pai tentou por várias vezes, em dias anteriores, dialogar com os vizinhos para que eles acabassem com o barulho e não conseguiu. "Acho que meu pai explodiu depois de tentar acabar com o barulho da forma correta", disse.

O delegado Barbosa Filho confirmou que esta não foi a primeira vez que o professor e os cortadores de cana discutiram por causa do barulho na república. Segundo o delegado, a polícia decidirá se vai pedir ou não a prisão temporária quando Arruda se apresentar.

A descoberta 

Professor de ciências no ensino médio e paleontólogo amador, Arruda foi quem descobriu, em 2005, os primeiros fósseis do Crocodilo-Tatu, uma espécie única que viveu a 90 milhões de anos na região noroeste do Estado de São Paulo. O animal, que levou seu nome, Armadilloususchus arrudai, tinha cerca de 2 m de comprimento e pesava 120 kg.

Ele tinha uma carapaça semelhante à de um tatu, daí seu nome. Com crânio largo, focinho curto e estreito e placas ósseas distribuídas como armadura no pescoço e dorso, o Crocodilo-Tatu era uma espécie única e distinta desse tipo de animais que viveram na Terra.