Irmã de ator morta em voo de parapente é enterrada na BA 

Cerca de 200 pessoas entre amigos e familiares participaram do enterro da nutricionista Priscila Boliveira, 24 anos, irmã do ator baiano Fabrício Boliveira, na manhã desta quarta-feira, no cemitério Jardim da Saudade, em Salvador. A jovem morreu no último domingo, no Rio de Janeiro, após cair de um parapente durante um voo na praia de São Conrado.

A família chegou ao cemitério no meio da madrugada, horas depois do velório ser aberto. A mãe de Priscila, Grasiela, voltou a Salvador antes dos filhos e do marido e passou a maior parte do tempo sedada. Ela foi levada ao Rio de Janeiro na segunda-feira sem ainda saber da morte da filha.

Os pais e irmãos de Priscila pediram privacidade à imprensa e não permitiram registro de imagens do velório e nem do cortejo que seguiu para o sepultamento da jovem, por volta das 10h. Atendendo às solicitações, amigos da família barraram fotógrafos de jornais e equipes de TV locais no caminho até a capela. De acordo com Fabrício, o caso da morte da irmã já foi bastante explorado pela mídia e sua mãe precisa de paz e tranquilidade.

O ator Fabrício Boliveira ficou durante todo o tempo sentado próximo ao caixão, no lado direito da capela. Cercado por muitas pessoas, ele se levantou poucas vezes e chegou a pedir a amigos que afastassem quem estava perto demais, dando maior espaço aos familiares.

As demonstrações de dor mais emocionadas foram dos amigos. O pai da jovem, Ubirajara, era o parente mais tranquilo e circulou entre os presentes recebendo abraços e manifestações de pesar.

Segundo uma amiga que estava no Rio de janeiro no dia do acidente fatal, Priscila, que já havia visitado a cidade diversas vezes, desta vez aproveitava a estadia na casa do irmão para descansar. Elas haviam se encontrado no Rio dois dias antes da morte de Priscila, que disse que, desta vez, não queria fazer passeios turísticos e sim passar dias tranquilos. Um grupo de amigos esperava a nutricionista para um jantar à noite no domingo. O encontro aconteceria logo após o salto que terminou em tragédia.