RS: presos suspeitos de sequestrar família de funcionário da Caixa  

A Polícia Federal do Rio Grande do Sul deflagrou na manhã desta terça-feira a Operação Assis Brasil para desarticular a quadrilha acusada de extorquir um tesoureiro da Caixa Econômica Federal (CEF) mediante sequestro de sua família. Foram cumpridos dois mandados de prisão preventiva e três de busca e apreensão. Um revólver foi apreendido.

O crime ocorreu em 20 de outubro de 2011, em Porto Alegre, quando o tesoureiro foi rendido em sua própria residência por um grupo armado. Juntamente com o servidor, foram feitos reféns a sua esposa e os dois filhos do casal, ambos menores de idade, um com 15 e outro com 5 anos.

Os familiares do funcionário da CEF foram retirados da residência e levados a um cativeiro. Os criminosos exigiram do tesoureiro um saque de R$ 500 mil do cofre da agência bancária para pagar o resgate da família. Durante a ação, a quadrilha teria ameaçado as vítimas de morte.

Os reféns foram libertados ainda na tarde do dia 20 de outubro, sem que tenha havido o cumprimento de qualquer exigência e sem que as vítimas tenham sofrido qualquer dano a sua integridade física. A ação de libertação dos familiares do servidor e a investigação ficaram a cargo da Delegacia de Repressão a Crimes contra o Patrimônio e ao Tráfico de Armas (Delepat) da PF, com o apoio tático do Grupo de Pronta Intervenção (GPI).

Ao longo da investigação foram identificados e reconhecidos pelas vítimas três envolvidos no sequestro, sendo que um deles foi assassinado em dezembro. Em 2011, ocorreram dois sequestros de servidores da CEF no Estado. Nos dois casos não houve pagamento de resgate e as vítimas foram liberadas ilesas.