SP: Russomanno diz que desistir da prefeitura é 'suicídio' 

Líder nas pesquisas de intenção de votos - com 21% da preferência do eleitorado segundo o instituto Datafolha -, o ex-deputado federal e pré-candidato à prefeitura de São Paulo, Celso Russomanno (PRB), disse nesta sexta-feira que seria um "suicídio" desistir de sua candidatura, ainda que o governo federal tenha ofertado ao senador Marcelo Crivella (PRB-RJ) o posto de ministro da Secretaria Especial de Pesca e Aquicultura.

A indicação de Crivella tem sido avaliada como forma de pressão pela desistência do candidato do PRB como prefeiturável e consequentemente como mecanismo para tentar trazer mais um aliado à candidatura do ex-ministro da Educação, Fernando Haddad (PT).

"Não temo pressão porque o PRB já decidiu. Nós deixamos claro que seguimos com candidatura própria, até porque do jeito que eu estou nas pesquisas é um suicídio eu não continuar", disse o candidato ao participar, em Brasília, da posse de Crivella no primeiro escalão do governo federal.

A última pesquisa DataFolha, divulgada em janeiro e sem contar com a recém-anunciada pré-candidatura do tucano José Serra (PSDB), aponta liderança de Celso Russomano na preferência de votos, com 21%. Fernando Haddad aparece com apenas 5%. "Não tem absolutamente nenhuma pressão (para desistir da candidatura)", disse o ex-deputado, que afirmou que o presidente da legenda, Marcos Pereira, já comunicou ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, padrinho político de Haddad, que o PRB não deve abrir mão da candidatura.

"Ficou muito claro que seguiríamos com candidatura própria e que não desistiríamos de jeito nenhum. Não dá, na situação em que me encontro, para desistir. O partido pretende ter candidatura própria até para o crescimento do próprio partido", relatou Russomanno. De acordo com o pré-candidato, o PRB tem mantido conversas com outros partidos que também devem disputar a prefeitura de São Paulo, mas isso não significa, por ora, que a legenda esteja disposta a abrir mão de ter chapa própria.

"Acredito que a gente pode compor uma chapa, mas o PRB pretende continuar com a candidatura. Não descarto as conversas, mas temos candidatura própria e pretendemos seguir na cabeça de chapa. Não tem pressão do PT", disse.