Monitorado pela Justiça, ex-deputado assume delegacia em AL

Preso por três assassinatos e solto por uma liminar, o delegado e ex-deputado federal Francisco Tenório (PMN) assumiu nesta quarta-feira a Delegacia de Acidentes de Maceió. O delegado é monitorado via satélite por uma tornozeleira eletrônica e submetido a regras.

"Ele pode romper a tornozeleira. Mas, se isso acontecer, vai responder pelo ato e volta a ser preso", disse o juiz da Vara de Execuções Penais, Braga Netto.

Francisco Tenório assume a delegacia na ausência do titular. Além dele, usa tornozeleira eletrônica o ex-chefe da Gangue Fardada, Manoel Francisco Cavalcante, preso por dez assassinatos e acusado de liderar uma organização de militares supostamente bancada por políticos e usineiros no Estado para matar desafetos.

Cavalcante, que passou 13 anos preso, cumpre regime semiaberto. Oficialmente, ele foi extinto em Alagoas há cinco anos por não oferecer condições aos presos. Assim, foi adotado o sistema de tornozeleira eletrônica. Alagoas tem 770 presos no regime semiaberto, e o uso de tornozeleira é para um reduzido número deles.

Tenório foi preso pelo assassinato do cabo da Polícia Militar, José Gonçalves, fuzilado a tiros em um posto de gasolina na Via Expressa, em Maceió, em 1996. Ele também é acusado de participar de uma organização criminosa que desviou R$ 300 milhões da folha de pagamento da Assembleia Legislativa, e responde ainda pela morte de duas pessoas.

Em dezembro, ao lado de Marcos Santos (PTB), prefeito da cidade de Traipu afastado por desviar verba da merenda escolar, Tenório organizou uma festa de natal na cadeia, com direito a ceia, tudo fotografado e registrado na rede social Facebook. Após a repercussão do caso, a foto foi retirada do ar.