Após cassação do prefeito de Limeira, primeiro escalão entrega cargos 

Os secretários municipais e presidentes de autarquias da prefeitura de Limeira, no interior de São Paulo, colocaram seus cargos à disposição nesta segunda-feira. A manifestação do primeiro escalão foi divulgada pela assessoria de imprensa da prefeitura, que justifica ser essa "uma praxe comum nas transições da administração pública. Os cargos dos secretários municipais e presidentes de autarquias são ocupados por pessoas da confiança do prefeito."

A disposição em sair do administração da cidade se segue à cassação do prefeito Silvio Félix (PDT), em sessão que terminou perto da meia noite da última sexta-feira. Félix foi cassado acusado de quebra de decoro. Os relatórios com mais de 200 páginas foram lidos em sessão na noite anterior.

Com a saída de Félix, assume o vice-prefeito, Orlando José Zovico (PDT). O ato de posse será publicado nesta terça-feira. O prefeito cassado não foi encontrado. Durante discurso de defesa na sessão da Câmara, seu advogado José Roberto Batacchio desqualificou a Comissão Processante (CP), que chamou de "heresia jurídica". Batocchio disse que "quem investiga prefeito é o Tribunal de Justiça" e comentou que o processo de cassação "será anulado na Justiça. É inevitável".

A CP formalizada para investigar Félix se baseou nas acusações do Grupo de Ataução Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público Estadual em Piracicaba, que apontou uma rede de sonegação fiscal, com enriquerimento ilícito e desvio de dinheiro nas empresas da família do prefeito. Foram presas 12 pessoas, entre elas a ex-primeira dama Constância Félix, dois filhos e três cunhados do prefeito.