Ministério Público entra com ação contra ONG por mau uso de verba pública

O Ministério Público Federal entrou com uma ação de improbidade administrativa contra a Organização Não Governamental (ONG) "Terra Viva Movimento de Resistência Ecológica" de São Bernardo do Campo, em São Paulo, por mau uso de cerca de R$ 300 mil que o Ministério do Trabalho e Emprego destinou à ONG para que fosse montado um curso de 250 horas-aula de corte e costura e empreendedorismo para 200 jovens para o mercado de trabalho, informou o órgão nesta segunda-feira

Além disso, o presidente da ONG, Pedro Camelo Filho, Rosângela Freitas e Evandro de Jesus Martinelli Ramos, auxiliares do presidente, as prestadoras de serviços Instituto de Comércio Exterior do ABC (Icomex ABC) e KMCA Treinamento e Consultoria Ltda também serão réus no caso, já que de acordo com o Ministério Público Federal, se beneficiaram do meu uso do dinheiro público.

A Justiça Federal decretou o bloqueio de cerca de R$ 97 mil em bens dos acusados, além de quatro automóveis, com o objetivo de ressarcir os cofres públicos caso os réus sejam condenados, mas apenas três computadores e uma impressora, que foram encontrados mais tarde na empresa KMCA Treinamento e Consultoria Ltda. Além disso, a ONG também é acusada de fraudar licitações.