Governador: grevistas difundem medo com métodos condenáveis

Em um pronunciamento em rede de televisão da Bahia, na noite desta sexta-feira, o governador Jaques Wagner (PT) classificou os grevistas da Polícia Militar de "grupo de policiais usando métodos condenáveis, difundindo medo na população, que chegou a causar desordens em alguns pontos do Estado". Ele tentou tranquilizar os moradores, garantindo que adotou providências para manter a segurança.

No terceiro dia de greve dos PMs, que pedem aumento salarial e melhoria nas condições de trabalho, foram registrados diversos saques em Salvador e região metropolitana. Em função dos boatos de arrastões, houve momentos de pânico e comerciantes chegaram e fechar as portas. Foram registrados 17 homicídios somente hoje na capital.

O governador disse estar aberto ao diálogo, mas que não aceita "que um pequeno grupo, de forma irresponsável, cometa atos de desordem para assustar a população" e prometeu combater as atitudes de intimidação com firmeza.

Foi a primeira vez nos dois mandatos de governador que Wagner utilizou uma rede regional de televisão para fazer um pronunciamento do tipo. "Quero tranquilizar você e sua família" disse para os telespectadores, assinalando ter agido imediatamente "com todo rigor".

Entre as providências está o pedido feito à presidente Dilma Rousseff (PT) para o envio das forças federais para ajudar na segurança do Estado. Hoje, chegaram à Bahia 2.350 militares do Exército, Marinha e Aeronáutica. No sábado, segundo o governador, chegará reforço de 600 homens. "Conclamo a todos os profissionais da Polícia Militar a retomarem à normalidade do seu trabalho", afirmou.