SC quer prorrogar prazo de dívidas de crédito rural de atingidos pela seca

Brasília - O governo de Santa Catarina informou hoje (16) que busca negociar com o governo federal a prorrogação do prazo para pagamento das dívidas de crédito rural de agricultores atingidos pela estiagem. O objetivo também é obter crédito emergencial para o plantio da safrinha e pastagens de inverno, bem como a formulação de um programa de venda de milho para a produção animal aos agricultores que tiverem necessidade desse produto.

Uma série de medidas para socorrer os 78 municípios de Santa Catarina que estão em situação de emergência devido à seca foi anunciada hoje, em Chapecó, pelo governador Raimundo Colombo, na presença dos ministros da Agricultura, Mendes Ribeiro, e do Desenvolvimento Agrário, Afonso Florence.

Foi assinada a liberação imediata de mais recursos (R$ 353 mil) do governo federal, para 20 municípios que ainda não haviam sido atendidos pelo crédito liberado no último dia 6, elevando o total dos recursos destinados à região pelo governo federal para R$ 1,6 milhão, destinados ao auxílio no transporte de água, à contratação de serviços para produzir silagem e captação emergencial de água.

Mais R$ 10 milhões sairão de cotas extras de financiamento do programa Juro Zero na Agricultura e Piscicultura do Fundo de Desenvolvimento Rural da Secretaria de Agricultura e da Pesca estadual, a serem aplicados em sistemas de captação e armazenagem da água da chuva e irrigação.

Em outra linha de ação para tratar o problema da seca, foi assinado um acordo de cooperação técnica entre o Ministério da Agricultura, o governo de Santa Catarina e o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), no valor de R$ 6 milhões, para financiamento de sistemas de captação de água e irrigação, com juros de 6,75% ao ano, e prazos para pagamento de até 12 anos.

Também foram assinados termos de cooperação técnica entre a Secretaria de Agricultura e da Pesca e Agroindústrias de Santa Catarina para incentivo a investimentos em construção de cisternas destinadas à captação de água da chuva em telhados de granjas de suínos, aves e pecuária de leite.

Como medida emergencial, o governo do estado constituiu uma força-tarefa para informar os agricultores sobre procedimentos para acessar o Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) e fazer comunicação de perdas aos bancos e cooperativas de crédito. Todos os técnicos da Secretaria foram acionados para elaborar imediatamente os laudos do Proagro e assim liberar as lavouras para usos como silagem e novos plantios.