AM: prefeito acusado de tráfico de drogas tem prisão revogada 

O prefeito e o secretário de administração do município de Tapauá, no Amazonas, que estavam presos acusados de tráfico de drogas e formação de quadrilha, foram soltos na tarde deste sábado. O chefe do Executivo, Carlos Gonçalves, e o funcionário Edson Soares da Silva foram beneficiados pela decisão do desembargador Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ/AM), Djalma Martins da Costa, que revogou a detenção preventiva.

As prisões do prefeito e do secretário foram decretadas depois de um pedido feito pelo delegado do 60º Distrito Integrado de Polícia (DIP), Rildo Santos, no dia 26 de dezembro de 2011 e concedido pelo desembargador do TJ/AM, Domingos Jorge Chalub. O prefeito é suspeito de usar um avião fretado pela prefeitura para trazer drogas de Manaus para Tapauá. O delegado pediu as prisões de Carlos e Djalma após investigar a queima de uma grande quantidade de entorpecentes no pátio do aeroporto de Tapauá.

Além deles, outros três funcionários da prefeitura foram indiciados no inquérito policial: o tesoureiro Bezaeel Andrade de Almeida, o secretário de governo Aldair José Duarte da Silva e o office boy Jerson Duarte Alves.

A denúncia que levou às prisões foi feita no dia 22 de dezembro por Carlos Augusto Ferreira de Andrade, conhecido como Carlinhos do Cidro, que afirmou ter queimado uma grande quantidade de drogas a mando do prefeito. Segundo o depoimento da testemunha, no dia 21 de dezembro de 2011 um avião fretado por um homem identificado como comandante Prata chegou à cidade trazendo três caixas, sendo que uma delas estava destinada ao prefeito da localidade.

Ao abrir a encomenda e ver a droga, o prefeito pediu para Carlinhos do Cidro atear fogo no material na pista do aeroporto do município. Após executar o pedido, a testemunha levou o caso à delegacia. O delegado Rildo Santos dirigiu-se ao local e encontrou 138 papelotes de droga não destruídos. Com isso, instaurou o inquérito policial.