Em SP, culpa por morte de grávida é partilhada entre os dois motoristas

Cinco segundos foram a diferença entre a vida e a morte para Lilian Maria dos Santos, 30 anos, que estava grávida de 7 meses. Segundo a Polícia Civil de São Paulo, este intervalo de tempo foi o que faltou para que ficasse verde o sinal que o marido dela, Landerson Correa Rodrigues, 37 anos, furou na madrugada de ano novo na zona sul da capital, sendo abalroado por outro veículo que atravessava o cruzamento. Os dois motoristas envolvidos na colisão são considerados culpados pelo acidente.

Para o delegado do 16º Distrito Policial (Vila Clementino), Airton Sante Amore, a responsabilidade é partilhada pelos condutores. Rodrigues responde por duplo homicídio culposo (sem intenção de matar) por ter avançado o sinal, como atesta depoimento de testemunhas e imagens de uma câmera de segurança. O representante comercial Carlos Alberto Dias Fiore, 29 anos, que estava no outro carro, confessou ter dirigido alcoolizado e sob efeito de cocaína e responderá por homicídio doloso - quando há intenção, conforme previsto na lei.

"Entendo que é uma culpa concorrente. Um avançou o sinal, mas se o outro estivesse em condições de dirigir quem sabe poderia ter evitado o acidente fatal", disse o delegado. Sante Amore afirma que cabe à Justiça determinar quem tem mais responsabilidade e admite que possa haver o chamado perdão judicial do marido da vítima. Rodrigues responderá pela negligência, por ter avançado o sinal, e por imperícia, por não se certificar que os ocupantes do carro estavam com o cinto de segurança.

O acidente ocorreu no cruzamento das avenidas Professor Abraão de Morais e Bosque da Saúde, na madrugada do dia 1º de janeiro. Rodrigues dirigia um modelo Fiat Idea e foi abalroado por um Peugeot preto. Em um primeiro momento, pela forma como o corpo de Lilian foi encontrado, a polícia acreditou que ela dirigia o veículo.

Com a colisão, Lilian foi lançada para fora do Idea e morreu instantaneamente. Médicos chegaram a fazer uma cirurgia de emergência para tentar salvar a criança, mas ela também perdeu a vida pouco depois. Uma filha do casal, de 8 anos, e uma sobrinha, que também estavam no Idea, tiveram ferimentos de pouca gravidade.

Dentro do Peugeot foram encontradas latas de cerveja que comprovaram que Fiore dirigia embriagado. Em seu veículo havia outras duas pessoas, que não se feriram. O motorista foi preso em flagrante e sua fiança foi fixada em R$ 20 mil.