Militares criticam publicação de lista de acusados de tortura

Uma lista de 233 militares e policiais acusados de tortura durante o governo Ernesto Geisel (1974-1979), na ditadura militar, foi criticada por associações de militares. 

A lista faz parte de um acervo de Luís Carlos Prestes (1898-1989), e estará na edição de janeiro da Revista de História da Biblioteca Nacional, editada pela Sociedade de Amigos da Biblioteca Nacional. As informações são do jornal Folha de S. Paulo.

O vice-presidente do Clube Militar, general Clóvis Bandeira, disse que a publicação "não deixa dúvida de que lado está o órgão público". 

"Isso cria uma situação de conflito gratuito, que já deveríamos ter superado há muito tempo", afirmou o presidente da Associação dos Oficiais Militares Estaduais do Brasil, coronel Abelmídio Sá Ribas.