Técnica de enfermagem é estuprada, roubada e queimada em São Paulo 

Uma técnica de enfermagem de 27 anos foi estuprada, roubada e teve o corpo queimado após contratar uma corrida com um mototaxista na noite de segunda-feira em Araçatuba, no interior de São Paulo. A moradora de Guararapes estava na cidade vizinha para consumar um acerto trabalhista em uma empresa e havia solicitado um mototáxi para chegar à rodoviária, de onde retornaria a Guararapes.

O suposto motataxista, entretanto, mudou o percurso, levando a passageira para um lugar ermo, onde a estuprou e roubou os R$ 4,6 mil do acerto. Antes de ir embora, o criminoso ainda ateou fogo nas roupas da mulher, as quais atirou sobre o corpo da vítima ainda deitada no chão.

A mulher foi socorrida pelo guarda municipal Valdir da Silva, que faz a vigilância do Centro de Zoonoses, próximo ao local do crime. "Por volta das 21h30 escutei gritos de socorro do outro lado do muro. Quando abri o portão, vi a moça deitada e uma tocha de fogo entre suas pernas. Pensei em suicídio, mas logo vi que não era. Ao chegar perto, vi que eram as roupas delas pegando fogo", disse. "Ela gritava, e depois me contou que já tinha rolado no chão para se livrar do fogo porque as chamas atingiram seu corpo", contou. Segundo Silva, a vítima estava nua, mas foi possível recuperar o short jeans e uma blusa para que ela se vestisse e fosse socorrida ao pronto-socorro mais próximo, onde recebeu atendimento.

"Ela me disse que o mototaxista se desviou do caminho da rodoviária usando a desculpa de que iria levar uma remédio para a mãe, que é doente", afirmou o guarda municipal. A Polícia Civil de Araçatuba tenta identificar o criminoso, que, segundo a descrição da vítima, é loiro e usava um colete de mototaxista com o número 222. O caso está na Delegacia da Mulher. Os coletes servem para identificar os profissionais do mototáxi, mas a polícia suspeita de que ele seja falso, assim como as placas da motocicleta. A mulher, liberada na mesma noite, passaria por atendimento médico nesta terça-feira.